Bom Sinal

Trens brasileiros são movidos a diesel e aproveitam trechos já existentes

Ter, 12 de Novembro de 2013 17:28

Parte da paisagem de cidades e capitais europeias como Barcelona, Paris e Lisboa, os VLTs (Veículos Leves sobre Trilhos) vivem um boom no Brasil, mas com características singulares: aqui usarão majoritariamente vias férreas já existentes e serão movidos a diesel.

Esse foi o "jeitinho" brasileiro para viabilizar a cara tecnologia de transporte de passageiros onde a demanda não justifica o investimento em metrô, mas supera a de um corredor de ônibus.Até agora, há apenas um em operação no país: o VLT do Cariri, projeto do governo do Ceará que liga as cidades de Crato a Juazeiro do Norte.

» Curta a página da BOM SINAL no Facebook

Mas há projetos em fase adiantada em Recife, Maceió, Arapiraca (AL), Fortaleza, Sobral (CE) e Macaé (RJ).Todos usarão vias já implantadas, o que reduz o investimento. Os carros serão a diesel, também mais baratos.Com isso, o investimento supera, na maioria dos projetos, R$ 10 milhões por quilômetro.

Segundo Márcio Florenzano, diretor comercial da fabricante Bom Sinal, a tecnologia é "ideal" para ligações entre centro e subúrbios ou regiões periféricas.EUROPEUS"Não é um VLT que possa se chamar de turístico, embora se iguale em conforto aos europeus."Uma das diferenças, diz, é que o embarque não se dá no mesmo nível da via.

Além disso, os europeus são movidos a eletricidade. Assim, poluem menos e são silenciosos.Para Florenzano, porém, os VLTs são vantajosos porque transportam mais gente do que três ônibus juntos e, mesmo a diesel, emitem 50% menos por passageiro.Líder no Brasil, a Bom Sinal nasceu quase por acaso. Fazia cadeiras escolares e para trens urbanos, quando foi incentivada pelo governo do CE a entrar na licitação do VLT do Cariri. Venceu e hoje há, ao menos, 20 cidades interessadas na tecnologia."Tenho certeza de que os projetos vão se espalhar pelo Brasil.

Há muita malha ferroviária ociosa, e os VLTs são uma alternativa barata para reabilitar vários trechos com pouco uso", diz Bartolomeu Carvalho, gerente da estatal CBTU, que administra os projetos de Recife e Maceió.Existem, porém, ao menos mais três projetos nos quais a tecnologia que se firma no NE não se adapta. Para Brasília, Rio e Baixada Santista, a melhor alternativa é a de veículos elétricos, mais caros.

Artigos relacionados

VLTs CIRCULAM POR MACEIÓ

Os dois primeiros VLTs de Maceió (AL) estão em testes desde abril. ...

Transformações urbanas

As obras físicas programadas para transformar Fortaleza numa das subsedes da Copa do Mundo de 2014 começam a ser anunciadas, ...

Terceiro VLT chega a Maceió

A terceira composição do VLT da Bom Sinal chega a Maceió ...
 

© 2013 Bom Sinal - Todos os direitos reservados

© Imagine Comunicação Digital